fundo parallax

Reforma da Previdência. Muitos ainda não aprenderam nada sobre coisas muito relevantes

Será que a China Pratica ou Já Praticou Fair Play no Comércio Internacional?
14 de fevereiro de 2019
Mercados financeiros vivem calmaria antes da chegada de grande tormenta
11 de março de 2019

Às vezes cansa falar o óbvio. Barbudinhos raivosos já saíram da toca para falar mal da reforma da previdência. Por pura ignorância ou safadeza intelectual mesmo. Afinal, quem não quer proteger seus interesses? Eu também não gostei! Terei de trabalhar mais para ter meus benefícios garantidos pela constituição de 1988??? Mas antes que me chamem de anticristão, coisa ruim ou Exu do Lodo, pergunto: Quem te disse que o fato de ser seu direito, transforma algo infinito?

Graças a Deus estamos vivendo mais (76 anos). Uma pena que estamos fazendo menos filhos, do que na década de 80 (1.7 filho por família hoje, comparado com 4.7 na década mencionada). Pelo nosso sistema de repartição, quem você acha que acabará pagando para você se aposentar aos 55 anos?

Sem ideologias ultrapassadas e slogans de parachoques de caminhão, e gritos de ordem, mas quem vai pagar essa conta da previdência? Dado que podemos nos aposentar mais cedo e pelo método da repartição, nosso filhos e netos conseguirão cobrir esse rombo?

A conta simplesmente não fecha!!! Ora, que cobremos dos devedores da previdência que devem quase R$470 bilhões, gritam os que cerceiam suas análises em níveis hiperglicêmicos. Assumindo uma hipótese muito louca, que logremos cobrar os devedores da previdência, dentre eles Varig, Vasp, Transbrasil (falidas), que são os maiores devedores da previdência, e consigam pagar absolutamente 100% da dívida e fechar o déficit da previdência em 2019. E 2020, como fecharemos a conta???? Ainda não atinaram que o problema da previdência é de fluxo e não estoque??? !!!

Muito louco isso, não? Não sei se é pura desonestidade intelectual, de quem utiliza esse argumento ou pura falta de proteína e carboidrato no organismo que os impossibilite fazer sinapses neurais básicas. Mas ideologias à parte, o fato ê que o ESTADO FICOU MAIOR QUE O BRASIL.

Há aqueles que confundem causa e consequência e argumentam cansativamente: Se o Brasil gerar mais empregos, cobriremos o rombo da previdência! Como se a geração de empregos fosse um maná de Deus todo Poderoso. Como gerar mais empregos se eu, você, o grande demoníaco CAPITAL, que na realidade é você mesmo, que investe em títulos do tesouro, fundos DI, fundos referenciados, acaba percebendo a tendência de insolvência da dívida pública , e pedindo mais juro/retorno em títulos públicos para compensar o maior risco de calote? Que calote???? Calote a la Collor, calote via emissão de moeda para pagar a previdência (inflação = calote). Essa percepção de risco faz com que o GRANDE CAPITAL ( juro que ainda não consegui me excluir dessa terminologia pseudo-demoníaca- poupadores-investidores em títulos públicos ou fundos de investimentos, que são obrigados a comprar títulos públicos) peça mais retorno para compensar o maior risco incorrido. Impressionante que nessa hora muitos barbudinhos raivosos se calam ao se identificarem como financiadores da dívida pública ou se atrapalham para definir claramente o que eles querem dizer com O GRANDE CAPITAL! E ainda muitas vezes lançam cortinas de fumaça cansativas do tipo: É preciso fazer um AUDITORIA da dívida pública. Pura cortina de fumaça a la Mister M. Como se uma auditoria da dívida pública que andam pedindo desde Tancredo Neves fosse mudar a situação insolvente da dívida pública. Puro Vaudeville barato!

Quanto mais retorno, eu, você e os poupadores pedirem, maior será a taxa de juro a ser oferecida por um título público e consequentemente menor será o consumo das famílias (prefiro poupar a gastar ou não tomar dinheiro emprestado para comprar algo), bem como postergar ou desistir do meu investimento privado em formação bruta de capital, dado que ganho mais investindo em fundo DI ou em um título do tesouro.

Confesso que não sei como os defensores do NÃO ajuste fiscal se perdem aqui. Ora, mais juro, menor consumo, menor investimento, menor crescimento econômico, menor geração de empregos e menor renda. Não adianta gritar como um pastor em êxtase e orar em “línguas” que a saída para o Brasil seria mais empregos e renda. Ah vá????!!! Só que a causalidade é invertida. Por pura ignorância ou preguiça intelectual não admitem isso, o que sinceramente limita um debate sério e construtivo.

Como o país logrará gerar mais empregos, com um risco fiscal maior, maior juro/retorno para financiar um governo mais arriscado, que acabará achatando o consumo das famílias e os investimentos?
Tem coisas que já deveriam estar nas catacumbas das discussões econômicas, mas no Brasil, infelizmente ainda acham que uma maior presença do Estado protetor seria garantia de maior crescimento econômico. Preguiça intelectual da gota serena da moléstia do cavalo doido. Juro por Deus!